Óleos essenciais

Compartilhe sustentabilidade para alimentos, consumo consciente, vida, transporte, casa e educação:

Os óleos essenciais são substâncias extraídas de plantas, por isso são completamente naturais e de origem vegetais. Possui muitas utilizações possíveis, a depender da planta escolhida. Seus aromas provocam diferentes reações no corpo e são muito indicados como complementação de tratamentos médicos e psicológicos.

Da mesma forma, também são muito utilizados para acalmar crianças e conseguir harmonizar ambientes. É necessário entender quais são as características particulares de cada produto para que seja possível estabelecer um plano eficiente de utilização.

Há muitos especialistas nessa área que buscam compreender o histórico de cada pessoa e as suas reais necessidades.

Para que servem os óleos essenciais

Os óleos essenciais possuem muitas finalidades distintas. Eles podem acalmar pacientes que apresentam quadros de instabilidade psicológica ou estresse e podem estimular determinadas potencialidades do corpo, como por exemplo a concentração para pessoas mais distraídas. Além disso, também funcionam como cicatrizantes para feridas superficiais e auxiliam na desinfecção de machucados.

Nos cuidados para a pele, atuam como um excelente repelente natural ou mesmo como um óleo de limpeza. A depender das fragrâncias, quando disseminado nos ambientes, pode também funcionar como um inseticida que não prejudica as vias respiratórias.

É fundamental saber que os organismos são diferentes e se adaptam de forma diferente a cada produto, por isso um óleo pode funcionar para uma pessoa e causar alergias a outra.

Quais são os benefícios dos óleos essenciais

Como possuem vários tipos, os benefícios dos óleos essenciais também são inúmeros. Os de eucalipto, por exemplo, podem funcionar como anti-inflamatório e antibactericida, da mesma forma que os de canela e tomilho. As propriedades dos óleos dessas plantas acabam por destruir as bactérias e fungos, fazendo com que o quadro de doença do paciente evolua.

Além das citadas acima, o eucalipto ainda apresenta propriedades expectorantes, por isso também pode ser utilizado no tratamento de gripes e infecções na garganta.

Vale ressaltar que, ainda que sejam produtos naturais, o seu uso indiscriminado pode proporcionar efeitos colaterais, por isso o acompanhamento com um médico pode se tornar necessário para minimizar os eventuais riscos.

As propriedades dos óleos essenciais

As propriedades de cada óleo irão depender da base de que são feitos. São muitas as possibilidades que esses agentes naturais possuem. Por isso, a seguir, encontram-se apenas algumas delas.

  • Óleo essencial de alecrim: antisséptico e antioxidante, esse óleo é capaz de aliviar dores e também ser utilizado nos cuidados com a pele como um bom anti-idade.
  • Óleo essencial de camomila: esse óleo possui ação primordialmente anti-inflamatória, contribuindo para evitar as cólicas menstruais, por exemplo. Além disso, a camomila é muito conhecida por possuir propriedades tranquilizantes. Sendo assim, esse óleo proporciona momentos de calma aos seus utilizadores, fazendo com que consigam controlar o estresse e a ansiedade.
  • Óleo essencial de capim limão: analgésico, consegue combater o cansaço e a agitação. O óleo de capim limão é bastante utilizado para controlar também o estresse e auxiliar na concentração das pessoas.

Quais são os tipos de óleos essenciais

São muitos os tipos dos óleos essenciais, a depender da finalidade escolhida, por isso é fundamental conhecer bem as características de cada um e perceber quais são os benefícios que eles proporcionam.

Os óleos essenciais são utilizados de forma individual, por isso as indicações e recomendações devem ter por base o histórico pessoal de vida do paciente.

Ingestão de óleos essenciais

Normalmente a ingestão de óleos essenciais não é indicada, pois pode acarretar efeitos colaterais. As substâncias são muito concentradas, já que são necessárias muitas plantas para que a extração seja produtiva, por isso a utilização de forma incorreta pode acabar por piorar o problema que deveria ser tratado.

A não ser em casos específicos quando as pessoas são especialistas no assunto, a ingestão de óleos essenciais não deve ser uma opção. Há muitas outras formas para utilizar os óleos que oferecem menos riscos à saúde dos pacientes. Tendo isso em vista, é muito importante enxergar os óleos como substâncias sérias que também podem prejudicar a saúde em casos de usos indevidos.

Extração de óleos essenciais

Para que seja possível a extração dos óleos das respectivas plantas, os métodos a seguir são mais utilizados:

  1. Enfloração: esse método é utilizado para extrair óleos essenciais de flores que normalmente são mais delicadas. O método coloca pétalas de flores sobre cera em cima do vidro. Diariamente, as pétalas são trocadas por pétalas novas e deixam, sobre a cera, os componentes aromáticos que produzirão o óleo.
  2. Hidrodestilação: esse método envolve um aparelho mais complexo em que as folhas são colocadas numa espécie de balão preenchido com água destilada. Conforme o balão é aquecido, a água arrasta as substâncias aromáticas das folhas.
  3. Extração por solvente: essa extração também requer um aparelho. O solvente atua para extrair também as substâncias aromáticas que se tornarão o óleo.

Onde comprar óleos essenciais

Nos dias atuais, os óleos essenciais estão fazendo muito sucesso na sociedade. Sendo assim, encontram-se disponíveis em muitos locais, desde as farmácias mais elaboradas a supermercados, passando pelas casas de produtos naturais. Os óleos Bioessência são um exemplo de marca favorita que têm ganhado espaço cada vez mais.

Como fazer óleos essenciais

Ainda que seja um processo complicado, é possível fazer os óleos essenciais por conta própria, já que eles são criados apenas à base de plantas. Vale ressaltar que é preciso tomar muito cuidado com a manutenção dos ingredientes e o contato com a pele.

A forma mais simples de fazer um óleo essencial por conta própria é com o auxílio de uma panela de barro, um pano, água destilada e um recipiente escuro. Vale lembrar que todo o material deve estar muito bem higienizado, do contrário as propriedades do óleo poderão estar ameaçadas.

É preciso cozinhar todo o material escolhido (flores ou folhas) dentro da panela com os demais ingredientes. O material deve descansar por uma semana. Após, deve ser colocado no recipiente escuro para descansar por mais quinze dias, coberto com um pano.